sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Objetivos e Desafios

Olá Amigos,
Saúde e paz!
Será que estamos realmente preparados para lidar com os desafios que aparecem em nossas vidas?
De uma forma lúdica e leve, o autor aborda esse tema, sempre atual.
Desejo boa leitura, muito aprendizado e contínuo sucesso!
Feliz 2015 para todos!
Atenciosamente,

Cláudia Conegundes




Qualquer que seja seu objetivo, faça dos desafios seus maiores aliados.

Muitas são as vezes você pode se deparar com dificuldades na solução de algo, na decisão de fazer ou não fazer, de ir ou de ficar. Isso faz parte da vida.

Os desafios estão ao nosso lado, mas muitas vezes pela inércia ou comodismo não vemos a oportunidade que está surgindo. É muito raro uma oportunidade “cair do céu”. Ou vamos à busca de acordo com nosso objetivo e foco de vida, ou levamos uma rasteira que nos faz abrir os olhos e dar a volta por cima, tipo o famoso e sábio samba: “Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima” …

O que não faz parte da vida é fugir dos desafios. Toda vez que você deixa de enfrentar um desafio, resolver um problema, você estaciona no seu crescimento pessoal e crescer significa estar à frente da solução de problemas.

Cada vez que você resolve uma situação difícil, descobre competências que nem imaginava possuir. E não é só situação difícil de você, mas também de outras pessoas, o que exige muita dedicação.

O processo de fazer sumir as preocupações da vida dos outros é gratificante ao mesmo tempo em que funciona como uma escola particular para o crescimento pessoal.

Vivemos em um mundo no qual quanto mais ajudamos as pessoas, mais ricos podemos ficar. Ricos de espírito, ricos de paz – riqueza que dinheiro algum substitui,

Você já parou para pensar o quanto na sua vida, no seu negócio, na sua atividade profissional, na sua família você é o caminho para a resolução dos problemas dos outros e seus também? É, por isso que sempre digo: Problemas? Oba!!!


Pense sobre isso!

Um grande abraço,

Roberto Shinyashiki
O Meu Sucesso Vem do Seu Sucesso!




segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Os ciclos de mudança da vida

Olá Amigos,
Saúde e paz!
O texto de hoje aborda os ciclos de mudança em nossas vidas, como eles se fazem presentes, seja na vida pessoal ou profissional. O autor nos mostra a importância da percepção e da capacidade de adaptação aos novos ciclos que se apresentam continuamente.
Espero que lhes traga aprendizado como trouxe para mim.
Desejo-lhes ótimas escolhas, contínuo sucesso e uma semana feliz!
Atenciosamente,

Cláudia Conegundes


"Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão" (Fernando Pessoa)


A vida das pessoas é constituída por diversos ciclos, alguns curtos e rápidos outros que duram vários anos. Se você parar para pensar perceberá que a sua vida também foi dividida por vários ciclos.

Os ciclos de mudanças são uma constante na vida das pessoas, das empresas, das organizações e também de uma profissão, pois a vida é um ciclo.

A unidade dum ciclo é composta por vários tamanhos de ciclos, alguns individuais outros coletivos (ciclos de evolução, temporais, culturais, etc.), outros são característicos de pessoas que exercem a mesma profissão ou estão com a mesma idade. A mudança faz parte da vida, somente os mortos, os ignorantes e os teimosos não mudam. São as mudanças que provocam a evolução.

As mudanças sempre aconteceram, mas os ciclos de mudanças antigamente eram mais lentos e percorriam um espaço maior no tempo com isso permitindo que as pessoas “digerissem” estas mudanças com mais calma, mas com o advento da tecnologia da informação houve um aumento dos ciclos de mudanças diminuindo seu período de duração com isso criando a necessidade de adaptação constante às mudanças, fazendo assim que as pessoas tenham a sensação de que sempre estão desatualizadas.

Por exemplo, se você adquire um aparelho celular de ultima geração, o mais moderno, com todas as funções que possamos imaginar, provavelmente em um período de 60 dias ele já estará ultrapassado por outro modelo, a velocidade com que as mudanças chegam é assombrosa.

Muito se fala em mudança de paradigma e mentalidade. Peter Senge usou o termo grego Metanóia na década de 90 em seu livro “A quinta disciplina” se referindo à mudança fundamental da mente. Literalmente trata-se da transcendência da mente como um significado mais profundo de aprendizagem.

Por isso compreender o significado de Metanòia é compreender a essência do significado de aprender. Ao longo dos tempos, tem-se perdido o sentido de aprender: para a maioria das pessoas aprender se resume a receber uma determinada informação, por exemplo, você lê um livro e presume que "aprendeu" tudo que estava no livro, mas poucas vezes consegue realmente aplicar aqueles conceitos.

Mas, na verdade, aprender é muito mais que acolher passivamente informação; aprender implica compreender o mundo e a nossa relação com ele, quando processamos a informação transformando-a em aprendizado tornarmo-nos capazes de fazer algo que não éramos capazes de fazer antes , ampliamos a nossa capacidade de criar e consequentemente recriarmo-nos.

Tudo na vida são ciclos. Ciclos de aprendizado.

Suce$$o



quarta-feira, 5 de novembro de 2014

7 Insights para Amenizar o Sofrimento

Olá Amigos,
Saúde e paz!
O texto de hoje é muito interessante. Trouxe-me aprendizado sobre como lidar com questões cotidianas que causam ansiedade. Espero que apreciem.
Desejo-lhes muitas escolhas felizes, contínuo sucesso e ótima semana!
Atenciosamente,

Cláudia Conegundes









Tenho aprendido muito com meus clientes de treinamentos in company e coaching e uma coisa é comum entre eles: a maioria sofre antes do necessário. Isso não é privilégio nem defeito, é uma característica natural do ser humano, mergulhado em pensamentos que oscilam entre o bem e o mal, de acordo com a pressão imposta pela sociedade.

De onde vem essa predisposição humana para o sofrimento antecipado? Por que uma boa parte se demite por conta própria mediante simples boatos de demissão no corredor da empresa? Qual a razão para o sofrimento antes do voo se o avião nem decolou? E para o sofrimento lá em cima, depois que o avião já está no ar e você não tem mais como descer? Como é que você sabe que o negócio não vai dar certo se você ainda nem começou?

A maioria das pessoas é refém dos próprios pensamentos, portanto, todo pensamento é também uma prisão. Ele tem o dom de escravizar a si mesmo e de antecipar problemas que nunca acontecem da forma como você imagina, o que o leva à demissão antes da hora, ao prejulgamento, ao desequilíbrio físico e psicológico e, por consequência, ao sofrimento desnecessário.

Por várias razões, algumas pessoas tem mais e outras menos disposição para o sofrimento antecipado. O problema é que quando você coloca o pensamento negativo na frente, as oportunidades se perdem, os relacionamentos se deterioram, os negócios não decolam. A mente humana é uma conspiradora universal e, na maioria das vezes, o lado ruim das coisas prevalece.

Para quebrar o padrão de pensamentos negativos é necessário rever alguns conceitos e trabalhar insistentemente para isto. Na medida em que adotamos o firme propósito de mudar o vocabulário e o comportamento por meio de uma postura mais otimista em relação aos acontecimentos, estabelecemos novos padrões, sofremos menos e podemos construir um novo futuro.

Este padrão é resultado da maneira como lidamos com os modelos mentais desde a mais tenra infância. Por essa razão, algumas pessoas tem sucesso e outras estão condicionadas ao fracasso. Não chega a ser uma escolha, mas a permanência dentro deles é.

Com base na minha experiência pessoal e profissional e inspirado em autores como T. Harv Eker (Os Segredos da Mente Milionária), Fredy Kofman (Metamanagement) e Albert Ellis (Como conquistar a sua própria felicidade), compartilho aqui algumas dicas que vão ajudá-lo a repensar a forma de ver a vida. Ler apenas não basta, é preciso coragem e determinação para criar um novo grau de sucesso.

1. O seu mundo interior cria o seu mundo exterior, portanto, você é aquilo que pensa e faz; quanto mais você reforça o discurso e os pensamentos negativos, mais refém se torna deles.

2. As coisas que você ouve sobre dinheiro, sexo, relacionamentos, estudos, política etc. não são necessariamente verdadeiras; ao adotar novas formas de pensar e agir, com base naquilo que você é capaz de fazer, e você é, as coisas mudam naturalmente.

3. Pensar em coisas boas ou em coisas ruins dá o mesmo trabalho, então, opte por coisas que contribuam para a sua felicidade e o seu sucesso e pare de bancar o adivinho, de sofrer por antecipação e procure alimentar apenas pensamentos que lhe fortalecem.

4. Os exemplos que você teve a respeito de muitas coisas era o modo de agir dos seus pais, entretanto, a sua maneira de ver e fazer as coisas é você quem escolhe; escolha ser mais alegre, mais otimista, mais abastado e a felicidade será apenas consequência.

5. Como diz o Seth Godin, a questão não é se você é capaz de fazer um trabalho digno e interessante, você é, mas a pergunta é: você está disposto? É mais cômodo reclamar do que levantar a bunda da cadeira para fazer algo diferente, mas é isso que você quer?

6. Levante todo o dia disposto a aprender algo novo e diferente, sem qualquer benefício prático aparente; isto vai reforçar a sua predisposição para o aprendizado e redefinir os caminhos neurais para uma nova maneira de ver as coisas.

7. Os medos, os mitos e os sonhos surgem do mesmo lugar, ou seja, da nossa capacidade de alimentar, positiva ou negativamente, os modelos mentais que herdamos ao longo da vida, os quais só serão mudados a partir do momento em que tivermos coragem de experimentar um futuro novo e diferente.

“O que perturba o ser humano em si não são as coisas, mas o seu julgamento sobre as coisas”, segundo Albert Ellis, psicólogo, portanto, ame mais, julgue menos, estude mais, critique menos, viva mais e morra menos.

Você começa a morrer quando deixa morrer dentro de si o sonho, o otimismo, o objetivo e a capacidade de contribuir com a sua vocação para o um mundo mais justo, mais alegre e mais humano.

Pense nisso e seja bem mais feliz!





sexta-feira, 24 de outubro de 2014

7 Características de um Profissional de Sucesso

Olá Amigos,
Saúde e paz!
O texto de hoje discorre sobre observações feitas a partir de um estudo que avaliou pessoas bem sucedidas, buscando identificar características comuns entre elas. Acredito que as conclusões valem tanto para a vida profissional quanto pessoal, desde que busquemos alcançar os melhores resultados em tudo o que fizermos.
Desejo-lhes muito aprendizado, contínuo sucesso e ótimo fim de semana!
Atenciosamente,

Cláudia Conegundes



Redação, www.administradores.com



Antes de enfrentarmos determinada situação ou perseguirmos certos objetivos é necessária a construção de operações mentais que gerem a visualização de resultados.



Luiz Fernando Garcia, psicoterapeuta e CEO da Cogni-MGR, em seu livro Pessoas de resultado - o perfil de quem se destaca sempre, elaborou perfis comportamentais extraídos de mais de 1.200 entrevistas, das quais foram selecionados 188 perfis (cerca de 15% do universo mapeado), nos quais identificou grande número de personalidades que definiu como sendo de "pessoas de resultados", ou realizadores.

Garcia observou que 93% dessa amostra tinha em comum sete características que derivavam da vivência e do perfil natural de cada um e que podem ser trabalhadas para a construção de uma conduta orientada para resultados. São elas:
Visualização - antes de enfrentarmos determinada situação ou perseguirmos certos objetivos é necessária a construção de operações mentais que gerem a visualização de resultados, ou seja, uma imagem mental que inspire nosso trajeto baseada nos recursos de que dispomos e evite que nossas ações sejam baseadas em tentativa e erro.

Superação de desafios - Não há desafio sem a possibilidade do fracasso, o que é diferente de uma idealização inatingível. Durante o processo de conquista de um objetivo haverá situações que fogem de nosso controle e geram desconforto. Tais situações devem ser encaradas como estímulos às conquistas. Caso não haja o desafio, seremos profissionais cumpridores de tarefas.

Manutenção do foco - No processo de empreender ou desenvolver algo novo, é possível que a diversidade de informações, experiências e objetivos buscados desviem nosso foco. Neste caso precisamos eleger um caminho único para não perdermos a referência de nossa própria identidade, ou seja, a capacidade de sermos reconhecidos por qualidades específicas nossas ou pelo que realmente queremos fazer. É preciso saber dizer não para ideias que possam parecer boas, mas que desviem demais do caminho traçado.

Criação de mapas de percurso - Quando elegemos algo a ser feito, devemos dar-lhe uma estrutura cognitiva que organize e sistematize de forma que faça sentido o caminho rumo a um objetivo maior. Para Luiz Fernando Garcia construir mapas de percurso é importante por ser a melhor forma de inibir a improvisação. O planejamento construído através de planos de ação nos ajuda na construção de um mecanismo mental que permita a cobrança de que o pensado seja posto em prática.

Expectância e drive - Expectância é a capacidade que temos de gerar expectativas nas pessoas e mantê-las. É a característica que permite a sustentação de um propósito que envolva outras pessoas e que permita a criação de vínculos entre elas e nossos objetivos. À manutenção da expectância, ou seja, à pro atividade, iniciativa e ao direcionamento de nossas energias para o que precisa ser feito - de forma prazerosa ou não - chamamos "drive". Luiz Fernando Garcia entende que a capacidade que alguém tem de alcançar algo está diretamente ligada não só a fazer aquilo que gosta, mas a dirigir seu destino fazendo coisas desagradáveis quando necessário.

Tolerância e incerteza - O medo de que alguma coisa dê errado inibe nossa capacidade de nos colocar em situação de risco. O profissional de resultado não espera que a receita do sucesso fique pronta, ele coloca a prova suas capacidades e convicções buscando a realização de seus objetivos. Se errar, terá a certeza de que há um caminho a menos para trilhar e buscará novas possibilidades de acerto para chegar onde quer.

Auto-reforço para a autoestima - Devemos encontrar formas de nos recompensar sem culpa. Quando nos premiamos, nossa natureza instintiva registra de alguma forma que valeu a pena todo o esforço feito para chegar até ali. O auto-reforço é a capacidade de gozarmos dos benefícios concedidos pela nossa trajetória entendendo que aquilo é o reconhecimento pelo esforço realizado.